https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEiI-1ys1n_67SBduIdqWDQVXRtQLb9uS2VzZroFi6dX8lP8X0Fp4cGvX6ENoY3vHbyCG7l6ZM7m1eA92VI9TOQyorz_p8jXJNdwgPOViPG70RFM68CsQ_YTAgUU6PgSe7DFEqCWaKOwzvAtIRVIujhAEt4fBPdESk6F-GQYzbX3WP9YrIz3suL0xrL7/s730/N01.gif

Informe semanal da dengue totaliza 301 casos da doença no Paraná

São 15 casos a mais que no boletim anterior. Os dados são do 10º Informe Epidemiológico da dengue, do novo período sazonal da doença, que iniciou no dia 1º de agosto e deve seguir até julho de 2022

Imagem ilustrativa/Reprodução

O boletim semanal da dengue publicado nesta terça-feira (26) pela Secretaria de Estado da Saúde registra 301 casos confirmados no Paraná. São 15 casos a mais que no boletim anterior. Os dados são do 10º Informe Epidemiológico da dengue, do novo período sazonal da doença, que iniciou no dia 1º de agosto e deve seguir até julho de 2022.

Os novos casos confirmados foram registrados em Londrina (6), Foz do Iguaçu (3), Colorado (2), Mandaguaçu (1), Paraíso do Norte (1), Pérola (1) e Roncador (1).

https://blogger.googleusercontent.com/img/a/AVvXsEhFUunwjVcqmCFMl2wzTBAERXRKZRb_jheK00tfjVFXAoXYX2eyRula0vIaxRC2Ry_Lnt7bX81RmamFkORegbjXdVhskeJpiGYUoITK3UAKRjUHTPCqMyEPciH1LXMcV__6M4lezXqdrXl25MJ0TPY9rtJPywNblcmC-yFD-HTW3zDFdY5cpr9GR84joA=s16000

Há ainda 1.785 casos em investigação, e 244 municípios registraram notificações de dengue, que passaram de 6.035 para 6.736. O Estado não registrou nenhuma morte neste período.

“Estamos entrando no período da ocorrência de casos de dengue. Por isso, além das medidas já conhecidas para prevenção e evitar a proliferação, é importante que a população, ao ter sintomas como febre alta de início súbito, acompanhada de dor de cabeça, dor no corpo, manchas avermelhadas pelo corpo, mal-estar, procure orientação médica”, alerta o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

Segundo ele, nos casos que evoluírem com dor abdominal forte, vômitos, tontura, sangramentos ou manchas roxas na pele, é preciso procurar serviços de pronto atendimento.

“Importante evitar a automedicação, pois há remédios contraindicados em caso de dengue”, acrescentou.

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL 

“Como várias doenças possuem sintomas semelhantes, cabe aos serviços de saúde o diagnóstico diferencial entre elas, principalmente neste momento da ainda presente pandemia da Covid-19”, enfatizou o médico da Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores, Eneas Cordeiro de Souza Filho.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEh9s_lMK7Az2PtqFRjVLJM1Jr1PPl4K9hJX9TFHZp032cR6fCwsmhToxFK1nMUPiaVJ6sYtRVCpzNzRc8lL9L0MQ7iAEDjKZajh7HOBCS8znEJKRw0t95yvvuc4JyMwEMeORl0G4F0VC7343nT-OnvJvWMKT0h7SQReKffBIPGOxSbHNXVmJ0eDv39c/s16000/N02.gif
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEiI-1ys1n_67SBduIdqWDQVXRtQLb9uS2VzZroFi6dX8lP8X0Fp4cGvX6ENoY3vHbyCG7l6ZM7m1eA92VI9TOQyorz_p8jXJNdwgPOViPG70RFM68CsQ_YTAgUU6PgSe7DFEqCWaKOwzvAtIRVIujhAEt4fBPdESk6F-GQYzbX3WP9YrIz3suL0xrL7/s730/N01.gif
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEiI-1ys1n_67SBduIdqWDQVXRtQLb9uS2VzZroFi6dX8lP8X0Fp4cGvX6ENoY3vHbyCG7l6ZM7m1eA92VI9TOQyorz_p8jXJNdwgPOViPG70RFM68CsQ_YTAgUU6PgSe7DFEqCWaKOwzvAtIRVIujhAEt4fBPdESk6F-GQYzbX3WP9YrIz3suL0xrL7/s730/N01.gif